EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA EXTRAORDINARIA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Por meio do presente edital, a ACORDE – ASSOCIAÇÃO DE CAPACITAÇÃO, ORIENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO EXCEPCIONAL, por meio do seu presidente, no uso de suas atribuições estatutárias (artigo 19 c.c. artigo 25 inciso III) convoca todos associados, com direito a voz e voto, a comparecer no dia 22 de março de 2022, na Rua José Luís Olaio, nº 290, Bairro Jardim Ricetti, na cidade de São Carlos, Estado de São Paulo, com o objetivo, e pôr intermédio de Assembleia Geral Extraordinária, deliberar sobre:

1) alteração do estatuto social, compreendendo a mudança de denominação e estender as formas de atendimentos e atividades;

2) alteração do endereço da sede.

A assembleia instalar-se-á em primeira convocação, às 19h30, com a presença da maioria dos associados, e em segunda convocação, às 20h00, com 1/3 de associados presentes. Este edital permanecerá fixado em mural no local acima citado até a data da realização do ato assemblear.

Cordialmente,

São Carlos (SP), 10 de março de 2022.

 

Oswaldo Ferrari da Silva
Presidente

Sinais de alerta para se detectar o autismo

Talvez a maioria das pessoas nunca tenha ouvido falar tanto no Transtorno do Espectro Autista (TEA) quanto atualmente, mas ainda existem muitas dúvidas sobre o que realmente é, os sintomas e as implicações para o indivíduo. O TEA também é conhecido de diferentes maneiras, como Transtorno Autístico (Autismo), Transtorno/Síndrome de Asperger, Transtorno Desintegrativo da Infância, Transtorno Global ou Invasivo do Desenvolvimento sem outra especificação e é considerado um dos Transtornos do Neurodesenvolvimento.

A Acorde está entre as organizações que oferecem avaliação diagnóstica para identificar casos de TEA, por meio do Centro de Assistência e Terapias, onde profissionais investigam sinais característicos dessa condição em crianças, jovens e adultos.

No diagnóstico, sendo detectado que o paciente possui características que envolvam prejuízos na interação social, na linguagem/comunicação, e se há padrões repetitivos de comportamento, a orientação é para que os pais, responsáveis e professores procurem auxílio médico quando há os seguintes sinais:

  1. Pouco contato visual: a criança não olha quando é chamada pelo nome ou não sustenta o olhar.
  2. Não interagir com outras pessoas: não interage com outras pessoas por meio de sorrisos, por exemplo.
  3. Bebês que não fazem jogo de imitação: os bebês começam a imitar atitudes e comportamentos por volta dos seis a oito meses de vida, portanto, deve-se ficar atento quanto à ausência desse comportamento.
  4. Não atender quando chamado pelo nome: a criança pode parecer desatenta, pois não atende quando é chamada pelo nome.
  5. Dificuldade em atenção compartilhada: não demonstra interesse em brincadeiras coletivas e parece não entender a brincadeira.
  6. Atraso na fala: criança acima de dois anos que não fala palavras ou frases.
  7. Não usar a comunicação não-verbal: não usa as mãos para indicar algo que quer.
  8. Comportamentos sensoriais incomuns: se incomoda com barulhos altos, por vezes colocando as mãos nos ouvidos diante de tais estímulos; não gosta do toque de outras pessoas, irritando-se com abraços e carinho.
  9. Não brinca de faz de conta: não cria suas próprias histórias e não participa das brincadeiras dos colegas. Também não utiliza brinquedos para simbolizar personagens. Suas brincadeiras costumam ser solitárias e com partes de brinquedos, como a roda de um carrinho ou algum botão.
  10. Movimentos estereotipados: apresenta movimentos incomuns, como chacoalhar as mãos, balançar-se para frente e para trás, correr de um lado para outro, pular ou girar sem motivos aparentes. Os movimentos podem se intensificar em momentos de felicidade, tristeza ou ansiedade.

Não há medicação para o Transtorno do Espectro Autista (TEA), porém em alguns casos são necessárias medicações para o controle de quadros associados ao autismo, como insônia, impulsividade, hiperatividade, irritabilidade, atitudes agressivas, falta de atenção, ansiedade, depressão, sintomas obsessivos, raiva e comportamentos repetitivos. Há casos em que o indivíduo desenvolve problemas psiquiátricos.

O acompanhamento do TEA baseia-se em estratégias como:

Treinamento dos pais: é a família que mais interage e estimula o comportamento das crianças, portanto, um tratamento eficaz depende do auxílio dos familiares e amigos.

Análise do Comportamento Aplicada – ABA (Applied Behaviour Analysis) é uma abordagem psicológica usada para a compreensão do comportamento. Trata-se de uma área de conhecimento que envolve pesquisas a partir dos princípios básicos da ciência da Análise do Comportamento

Tratamento e Educação para Crianças Autistas e Crianças com Déficits relacionados com a Comunicação (TEACCH): desenvolvido na década de sessenta no Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina na Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, por Eric Schopler e Robert Reichler, caracteriza-se por prover um atendimento educacional especializado, numa configuração estruturada de ensino, para indivíduos com autismo, considerando suas especificidades, dificuldades, limitações e, sobretudo, suas potencialidades. A principal finalidade do Teacch é prover e potencializar a comunicação de autistas, sobretudo de crianças. O método tem ainda por objetivo a habilitação comportamental funcional e autônoma do autista, na medida das suas potencialidades e restrições, visando a construção de um indivíduo cada vez menos isolado e, na medida das possibilidades, independente e produtivo.

Psicoterapia em abordagem cognitivo-comportamental (TCC): a abordagem psicológica demonstra ter eficácia nos quadros de ansiedade, autoajuda e habilidades de vida diária.

Para os profissionais da Acorde e, de acordo com os estudos científicos, o diagnóstico e intervenção precoces são fundamentais para que o indivíduo receba o tratamento adequado e desenvolva habilidades cognitivas importantes para uma vida produtiva e inclusiva, com chances de estudar e trabalhar. A Acorde há 33 anos atua para promover assistência e proporcionar educação e desenvolvimento das pessoas atendidas pela organização, a fim de capacitá-las e incluí-las na sociedade.

 

O que é filantropia?

Filantropia é um conceito antigo, cujo significado vem se transformando ao longo dos séculos. A expressão é formada por duas palavras gregas. A primeira é filos, que quer dizer afeição, amor. E a segunda é antropo, que quer dizer homem, humanidade. Portanto, ao pé da letra, filantropia é ‘amor pela humanidade’.

No decorrer do tempo, porém, passamos a entender filantropia como ‘ações realizadas em favor do próximo, ou do bem público’. Talvez você esteja se perguntado: por que não chamamos de filantropo todo mundo que faz doações, que faz trabalho voluntário, que doa bens, enfim, que ajuda os outros? Porque existe uma diferença entre quem pratica a caridade e quem faz filantropia. As pessoas que praticam a caridade estão buscando aliviar o sofrimento dos outros, enquanto a tendência da filantropia é tentar resolver o problema que está causando o sofrimento.

Como solucionar a origem do problema quase sempre exige mais recursos e mais tempo, os ‘chamados’ filantropos costumam ser pessoas com maior poder aquisitivo. Por isso, quando pensamos em filantropos, logo lembramos dos grandes milionários. Um dos maiores exemplos atuais de filantropo é Bill Gates, criador da Microsoft, que destinou mais de 50 bilhões de dólares para a Fundação Bill e Melinda Gates. Antes dele, houve diversos outros, talvez o mais famoso seja John D. Rockefeller, mais conhecido simplesmente como Rockefeller, que construiu sua fortuna na indústria do petróleo, fez vultuosas doações e criou a Fundação Rockefeller.

FILANTROPIA NO BRASIL

Aqui no Brasil também temos grandes filantropos, ainda que não cultivemos o costume de falar muito a respeito. Um deles é Guilherme Leal, fundador da Natura e de diversas organizações sociais que cobrem as várias causas apoiadas por ele. Outro filantropo brasileiro é Jorge Paulo Lemann, um dos sócios da Ambev, que também criou diversas organizações sociais. Mais recentemente, Elie Horn, fundador da construtora Cyrela, tem surgido como um grande filantropo. Ele foi o primeiro brasileiro a assinar o Giving Pledge, uma declaração de que vai doar, em vida, pelo menos metade de sua fortuna. O Giving Pledge é uma iniciativa lançada por Bill Gates e Warren Buffet, em 2010, que convida bilionários a se comprometerem a doar, no mínimo, 50% de suas riquezas antes da morte. Até outubro de 2021, a iniciativa contava com 224 assinaturas.

Estamos falando sobre pessoas, mas também existe a filantropia corporativa. Em 2020, o Banco Itaú doou R$ 1 bilhão para ajudar no combate à pandemia. É menos comum vermos doações realizadas pelas empresas com um caráter exclusivamente espontâneo e humanitário. As companhias costumam fazer doações estratégicas, alinhadas com sua atuação empresarial ou com públicos de interesse. Mas na pandemia também as empresas precisaram mobilizar em ações assistenciais.

FILANTROPIA E CARIDADE: DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS

De um modo geral, caridade e filantropia formam uma excelente dobradinha. Uma traz o alívio imediato e a outra trabalha para resolver o problema no longo prazo. E sempre foi assim ao longo da história. A primeira entidade filantrópica no Brasil foi a Santa Casa de Misericórdia de Santos, fundada em 1543. Naquela época, a caridade e a filantropia estavam fortemente concentradas na Igreja Católica, e permaneceu desse modo, aqui no Brasil, até o século XX, quando ocorreu a separação da Igreja e do Estado, e o surgimento de associações, sindicatos e partidos para defesa dos interesses da sociedade. Essas entidades foram evoluindo e se transformando. Surgiram as Organizações Não Governamentais, conhecidas como ONGs e, que, hoje em dia, são chamadas de OSCs, ou seja, Organizações da Sociedade Civil.

PARA QUE SERVE A FILANTROPIA?

Todas essas instituições não têm fins lucrativos e trabalham para defender os interesses da sociedade em diversos campos, desde Saúde e Educação, até Cultura e Meio Ambiente. Para viver e funcionar, elas contam com as doações dos filantropos, das empresas e, eventualmente, de recursos advindos do governo. De acordo com Censo Gife 2018, as doações filantrópicas de institutos, fundações e empresas totalizaram R$ 3,5 bilhões naquele ano. Mas esse número foi muito mais alto em 2020, quando empresas doaram mais de R$ 6 bilhões apenas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19, segundo levantamento feito pelo Monitor das Doações.

O longo período de instabilidade que o Brasil atravessou na última década prejudicou bastante o crescimento da filantropia. Mas a onda de solidariedade e empatia, gerada pela pandemia, pode ter virado esse jogo, mostrando a doadores e filantropos, que a responsabilidade por construir uma sociedade melhor para todos e todas está nas mãos de cada um de nós.

Fonte: IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social.

Nos acompanhe nas redes sociais

Está nascendo uma nova ACORDE – Futura sede está em obras no bairro Jardim Ricetti

Em breve, a ACORDE SÃO CARLOS trará todos os serviços prestados no Jardim Tangará, para instalar-se completamente no bairro Jardim Ricetti, na sua sede própria à Rua José Luiz Olaio nº 290.  Um local estratégico e de fácil acesso para atender nas áreas de saúde, educação e assistência social   às pessoas com deficiência intelectual ou múltipla.

As instalações serão amplas, modernas e adequadas às necessidades dos usuários, com uma área útil de 650m² de construção, num terreno de 1600 m², o que ampliará a capacidade de atendimento, além de oferecer outros benefícios futuros para o fomento da instituição

Crescimento

“Nos últimos 4 anos de atendimentos, a demanda aumentou de 70 para 340 beneficiários”, afirma a Gerente Executiva, Cleonice Amato.

Diante dessa nova realidade, considerando a demanda crescente no número de matrículas e aumento na procura dos serviços prestados, a ACORDE iniciou a Campanha CONSTRUINDO O FUTURO projetando um espaço maior para atender a demanda futura de pessoas com deficiência intelectual ou múltipla.

Em agosto, 33 anos

A ACORDE – Associação de Capacitação, Orientação e Desenvolvimento do Excepcional é uma Organização da Sociedade Civil, filantrópica, sem fins lucrativos, fundada em 08 de agosto de 1988. Tem por finalidade promover através de uma equipe multidisciplinar nas áreas de saúde, educação e assistência social, ações de defesa de direitos, prevenção, orientações e apoio à família, que possibilitem o desenvolvimento e a melhoria da qualidade de vida de crianças e adultos com deficiência intelectual

Os benefícios das novas instalações

O maior benefício das novas instalações é ter um espaço novo, amplo e melhor adaptado para realizar os atendimentos.

CAT – Centro de Assistência e Terapias (concluído)

Bloco 1: possui  sala de recepção e coordenação e conta com 05 salas para atendimentos clínicos, onde são prestados serviços de Psiquiatria, psicologia, Nutrição, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e assistência social em 12 horas de atendimentos.

CEPE – Centro Educacional e Pedagógico Especializado (concluído)

Bloco 2:  A Escola Especial Maria Maffei Lobbe conta com 9 novas salas  de  aulas, sala de informática, coordenação, banheiros adaptados com acessórios para atender as necessidades dos usuários e um amplo espaço para depósito de equipamentos e materiais.

CAN – Centro de Alimentação e Nutrição (a construir)

Bloco 3:  terá um refeitório, cozinha, despensa seca , área de recepção de alimentos e  área de serviço .

Os blocos do prédio, interligados por rampas de acesso, proporcionam mobilidade e segurança aos frequentadores.

Após a conclusão dos 3 módulos, a Acorde se mobilizará para ampliar em mais 500m² com a construção de salas de administração, sala multimídia e academia.

A amamentação sob a perspectiva do fonoaudiólogo

Dentre as experiências vivenciadas pelo bebê, a amamentação merece destaque. No dia 01 de agosto comemoramos o Dia Mundial do Aleitamento Materno.

A importância da amamentação, o aleitamento materno traz benefícios nutricionais, imunológicos, emocionais, econômicos e sociais que já são amplamente divulgados. Como também no momento tão importante no desenvolvimento infantil e no relacionamento mãe e filho, seja o mais seguro e feliz.

O aleitamento materno também tem efeitos positivos do ponto de vista da saúde fonoaudiológica, uma vez que está relacionado  ao crescimento e desenvolvimento craniofacial e motor-oral do recém-nascido, sendo sua presença, fator importante de prevenção.

Ao sugar o seio materno a criança estabelece padrão adequado de respiração nasal e postura correta da língua. A sucção durante a amamentação, promove o desenvolvimento adequado dos órgãos fonoarticulatórios quanto à mobilidade, tônus, força, postura e consequentemente o desenvolvimento das demais funções como a mastigação, deglutição e articulação dos sons da fala.

Contribui para a redução da presença de maus hábitos orais e posturais inadequados dos órgãos fonoarticulatórios.

O Desenvolvimento motor-oral reflete no desenvolvimento craniofacial, no crescimento ósseo e na dentição. Essas forças musculares promovem uma ação modeladora, mas que em condições inadequadas, podem conduzir a alterações anatômico-funcionais indesejáveis.

Somente a amamentação ou a sucção no peito materno promove a atividade muscular correta. Crianças amamentadas no peito tem menores chances de adquirir hábitos de sucção não nutritivos, comumente observados em crianças que não receberam aleitamento materno, ou o fazem por tempo menor. O desmame precoce pode levar a uma ruptura do desenvolvimento motor-oral adequado.

A Organização Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde e a Sociedade  Brasileira de Pediatria recomendam a amamentação exclusiva até o sexto mês de vida e complementada até dois anos ou mais, permitindo a adequada transição alimentar, de modo que a criança tenha condições de receber alimentos certos na idade adequada, garantindo o pleno desenvolvimento.

A prática bem-sucedida do aleitamento materno depende, em grande parte, do apoio e das orientações recebidas pelas mães ao longo da gestação, nos primeiros momentos do nascimento e na alta hospitalar.

A técnica de amamentar deve ser ensinada e, para isso, o primeiro passo é a observação cuidadosa da mamada para que se possam ser feitos os ajustes e orientações necessárias para garantir o seu sucesso e sua permanência.

Todos os profissionais envolvidos com a saúde da díade mãe-bebê são agentes responsáveis pela promoção, incentivo e apoio ao aleitamento materno.

(Fonte Instituto PENSI)

Fonoaudiologia e áreas de atuação

O Fonoaudiólogo (a) é o profissional que entre as suas competências estão a prevenção, intervenção e reabilitação de alterações de linguagem oral e escrita, audição, fluência, voz e motricidade orofacial. É focado em todos os aspectos da comunicação humana. Logo, é responsável por desenvolver atividades voltadas à saúde, prevenção, avaliação, diagnóstico, orientação e terapia de seus pacientes. Pode atuar de forma individual ou em parceria com outros profissionais; pode se especializar em diversos ramos e, podendo trabalhar na área clínica ou educacional, bem como na área estética; envolver-se na área acadêmica, elaborando projetos de pesquisa nas mais diversas áreas. Este profissional pode atuar em instituições de saúde públicas e privadas como hospitais, clínicas, maternidades, laboratórios de diagnósticos, etc.

Áreas de atuação na Fonoaudiologia:

01. Audiologia
Atua na recuperação de diversos distúrbios auditivos, proporcionando desde terapias até a adaptação de aparelhos auditivos.

02. Linguagem
Trabalhará com aspectos que envolvem a comunicação oral e escrita, visando identificar e trabalhar possíveis distúrbios no processo de desenvolvimento da comunicação na esfera citada desde a infância à vida adulta.

03. Motricidade
Trabalhará na habilitação de funções relacionadas à respiração, sucção, mastigação, deglutição, expressão facial e articulação da fala, visando melhores condições de vida e de comunicação do paciente.

04. Saúde coletiva
Fazendo parte de grupos de estudos e reflexões sobre políticas públicas no sistema de saúde no Brasil. Pode atuar na atenção à saúde, sendo na promoção, prevenção, educação e intervenção, a partir do diagnóstico de grupos populacionais.

05. Voz
Atuará na avaliação, no diagnóstico e na reabilitação de problemas vocais, bem como com o aperfeiçoamento estético da comunicação e expressividade da voz, também poderá atuar com a prevenção de patologias vocais.

06. Disfagia
Atua na avaliação e no diagnóstico de distúrbios da deglutição, com intuito de intervir (habilitar e ou reabilitar) para prover melhoria na qualidade de vida do paciente.

07. Fonoaudiologia Educacional
O profissional terá espaço para atuar na promoção, aprimoramento e prevenção de alterações dos aspectos relacionados à audição, linguagem (oral e escrita), motricidade oral e voz que favoreçam e otimizem o processo de ensino e aprendizagem.

08. Gerontologia
Nesta área, muitas vezes sendo parte de uma equipe multidisciplinar, atua na promoção da saúde do idoso, prevenção, avaliação, diagnóstico, habilitação, reabilitação dos distúrbios relacionados à fala, audição, ao equilíbrio, à deglutição, motricidade orofacial e voz nessa população.

09. Fonoaudiologia Neurofuncional
Realiza avaliação, diagnóstico, habilitação e reabilitação fonoaudiológicos de pessoas com alterações neurofuncionais, provenientes de sequelas de danos ao sistema nervoso central ou periférico.

10. Fonoaudiologia do Trabalho
Participa de campanhas educativas, palestras e ações de conscientização dos trabalhadores e elabora estratégias de promoção e proteção em saúde no que se refere a Fonoaudiologia.

11. Neuropsicologia
O fonoaudiólogo trabalha com intuito de prevenir, avaliar, tratar e gerenciar os distúrbios que afetam a comunicação humana e sua interface com a cognição.

12. Fluência
Poderá atuar na identificação de tipologias das disfluências típicas e atípicas para o diagnóstico e intervenção em transtornos da fluência.

Autora: Marília Marcondes Ferreira – Fonoaudióloga da Acorde São Carlos
CRFa:6401

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL

A ACORDE Associação de Capacitação  Orientação e  Desenvolvimento do Excepcional, com sede à Rua Victório Bonucci, 1385 Jardim  Tangará em São Carlos, devidamente representada por seu Presidente Oswaldo Ferrari da Silva , convoca através do presente edital, todos os associados contribuintes participantes do rol de membros,  para Assembléia Geral Ordinária, que se realizará no CAT (Centro de Assistência e Terapias) da Acorde  à Rua José Luís Olaio, 290 no Jardim Ricetti em São Carlos, no dia 06 de Novembro de 2.020, com a seguinte ordem do dia:

  • ELEIÇÃO DE DIRETORIA E CONSELHO FISCAL PARA O BIÊNIO 2021/2022

A inscrição das chapas candidatas deverá ocorrer na Secretaria da Acorde (Tangará), até 20 dias antes da eleição, que se realizará dentre as chapas devidamente inscritas e homologadas pela comissão eleitoral.

Somente poderão integrar as chapas os associados contribuintes da Acorde a pelo menos um ano e que estejam quites com suas obrigações sociais e financeiras.

É vedada a participação de funcionários da Acorde na Diretoria Executiva e no Conselho Fiscal, com vínculo empregatício direto ou indireto.

A Assembléia Geral instalar-se á em primeira convocação as 19 hs com a presença da maioria dos associados e as 19.30 hs em segunda convocação, com qualquer número, não exigindo a lei quórum especial.

São Carlos, 02 de outubro de 2.020

 

Oswaldo Ferrari da Silva

Presidente

 

O Terapeuta Ocupacional (T.O) na ACORDE

O Terapeuta Ocupacional (T.O) na ACORDE, atende os casos de Transtorno do Espectro Autista (TEA) sendo estes os maiores diagnósticos que passam pela T.O atualmente, e no geral, também, atende a demanda de deficiência intelectual, atrasos no desenvolvimento, TDAH. A Terapia Ocupacional tem como objetivo trabalhar a autonomia e independência dos assistidos, favorecer a socialização e comunicação social, auxiliar e treinar as atividades de vida diária proporcionando funcionalidade no dia a dia, como por exemplo: vestir-se, escovar os dentes, pentear os cabelos, calçar sapatos, treinar a coordenação motora fina e grossa, habilidade necessária para a escrita, usar tesoura e outras tarefas do dia a dia. Favorecer habilidades visuais; favorecer o brincar funcional e a resolução de problemas; proporcionar a expressão de sentimentos, estimular e treinar habilidades cognitivas, de linguagem, comunicação e interação. É cada vez maior o número de casos diagnosticados de autismo ou Transtorno do Espectro Autista (TEA), que consiste em uma alteração no neurodesenvolvimento de algumas áreas do cérebro responsáveis pela linguagem, comunicação, interação e cognição.

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), Os critérios para o diagnósticos do TEA consistem em: (a) déficits persistentes na comunicação e na interação social e (b) padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades. Tais características devem estar presentes desde os primeiros anos de vida da pessoa, sendo possível rastrear o autismo a partir de 1 ano e 4 meses, quando a criança já pode dar alguns sinais atípicos do desenvolvimento, ou até mesmo antes dessa idade, a partir dos 6 meses, já é possível observar algumas alterações no desenvolvimento do bebê.

É importante frisar que quanto mais cedo for descoberto o autismo (ou mesmo que este diagnóstico não seja fechado de imediato), maior será a “janela” de intervenções na qual a criança receberá os estímulos necessários para aquela faixa etária, isso para os casos diagnosticados de autismo ou outros diagnósticos, por exemplo: deficiência intelectual, atrasos no desenvolvimento, transtorno e déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), síndrome de down, entre outras condições.
A ACORDE está à disposição das pessoas desde 1988, é uma Associação sem fim lucrativo e presta atendimento sério, competente e acima de tudo profissional aos assistidos. Todos os profissionais da saúde e da educação são formados em cursos de nível superior.

É importante dizer que o trabalho da T.O na ACORDE e de qualquer outra área dentro dessa Associação não existe sem a participação das famílias, por isso, é de extrema importância a proximidade entre o Terapeuta e a responsável, para que o efeito dos trabalhos aconteça de forma generalizada, em ambientes naturais e menos estruturados e isso só é possível se existir essa parceria, tão importante para o assistido.

Autora: Débora Cristina Pelissari Melchiori – Terapeuta Ocupacional da Acorde
CREFITO 3 14479

 

Evento da ACORDE marca a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla em São Carlos

Um evento realizado neste sábado (22), marcou a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla 2020 em São Carlos. Pontualmente às 9h, funcionários da Acorde (Associação de Capacitação, Orientação e Desenvolvimento do Excepcional) iniciaram a homenagem saindo do Jardim Tangará (Rua Victório Bonucci) em direção aos bairros onde moram os seus assistidos, levando máscaras, mimos e uma cartilha. Um gesto de carinho, de amor e de afetividade. Em cada residência, muita emoção para quem entregava os produtos, e principalmente, para quem recebia.

As ações acontecem por todo o país, em muitos municípios e instituições, em prol desta causa e objetiva dar visibilidade social para as demandas desse segmento da população, combater a discriminação e o preconceito.

Dentre as pessoas com deficiências, aquelas com deficiência intelectual são as que mais sofrem com a discriminação. Outras deficiências têm a possibilidade de adaptação de ambientes e materiais pedagógicos, a exemplo do Braile para deficientes visuais, Libras para deficientes auditivos, acessibilidade arquitetônica para deficientes físicos, porém o deficiente intelectual depende da atitude do outro para conseguir interagir. Daí a necessidade da conscientização da sociedade, porque as conquistas de políticas públicas passam pela mobilização da sociedade e esse segmento da população precisa de políticas que melhorem a qualidade de vida e auto estima para alcançar o sentimento de pertencimento.

A verdadeira inclusão acontece quando eles se sentem contribuintes da sociedade, de alguma forma e para isso, há de se ter o incentivo no meio de convívio, exercício da autonomia e da cidadania.

Devido à pandemia, este ano as comemorações serão diferenciadas. A ACORDE preparou uma nova forma de lembrar a data. Sem apresentações e eventos ao público para evitar aglomerações, as comemorações, serão por meio eletrônico, com mensagens, fotos, interação família escola, viabilizados nos grupos de WhatsApp da entidade. “Quando esse tempo de pandemia passar – e vai passar – faremos uma linda comemoração reavaliando o que ficou de positivo, com mais solidariedade, conhecimento e o aprendizado de tudo isso”, explica a gerente executiva Nice Amato.

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla, comemorada de 21 a 28 de agosto de cada ano, foi instituída pela Lei nº 13.585, de 26 de dezembro de 2017.

Saiba a definição do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)

O autismo – nome técnico oficial: Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) – é uma condição de saúde caracterizada por déficit na comunicação social (socialização e comunicação verbal e não verbal) e comportamento (interesse restrito e movimentos repetitivos). Não há só um, mas muitos subtipos do transtorno. Tão abrangente que se usa o termo “espectro”, pelos vários níveis de comprometimento — há desde pessoas com outras doenças e condições associadas (comorbidades), como deficiência intelectual e epilepsia, até pessoas independentes, com vida comum, algumas nem sabem que são autistas, pois jamais tiveram diagnóstico.

Causas do autismo

As causas do autismo são majoritariamente genéticas. Confirmando estudos recentes anteriores, um trabalho científico de 2019 demonstrou que fatores genéticos são os mais importantes na determinação das causas (estimados entre 97% e 99%, sendo 81% hereditário), além de fatores ambientais (de 1% a 3%) ainda controversos, que também podem estar associados como, por exemplo, a idade paterna avançada ou o uso de ácido valpróico na gravidez. Existem atualmente 960 genes já mapeados e implicados como fatores de risco para o transtorno — sendo 102 genes os principais.

Tratamento e sinais

Alguns sinais de autismo já podem aparecer a partir de um ano e meio de idade, até mesmo antes em casos mais graves. Há uma grande importância de se iniciar o tratamento o quanto antes — mesmo que ainda seja apenas uma suspeita clínica, ainda sem diagnóstico fechado —, pois quanto antes comecem as intervenções, maiores são as possibilidade de melhorar a qualidade de vida da pessoa. O tratamento psicológico com mais evidência de eficácia, segundo a Associação Americana de Psiquiatria, é a terapia de intervenção comportamental — aplicada por psicólogos. A mais usada delas é o ABA (sigla em inglês para Applied Behavior Analysis — em português, análise aplicada do comportamento). O tratamento para autismo é personalizado e interdisciplinar, ou seja, além da psicologia, pacientes podem se beneficiar com intervenções de fonoaudiologia, terapia ocupacional, entre outros profissionais, conforme a necessidade de cada autista. Na escola, um mediador pode trazer grandes benefícios, no aprendizado e na interação social.

Alguns sintomas como irritabilidade, agitação, autoagressividade, hiperatividade, impulsividade, desatenção, insônia e outros podem ser tratados com medicamentos, que devem ser prescritos por um médico. Dentre os medicamentos indicados a risperidona, que é da classe dos antipsicóticos atípicos, é o mais comum deles.

Quais são os sinais de autismo?

  • Não manter contato visual por mais de 2 segundos;
  • Não atender quando chamado pelo nome;
  • Isolar-se ou não se interessar por outras crianças;
  • Alinhar objetos;
  • Ser muito preso a rotinas a ponto de entrar em crise;
  • Não brincar com brinquedos de forma convencional;
  • Fazer movimentos repetitivos sem função aparente;
  • Não falar ou não fazer gestos para mostrar algo;
  • Repetir frases ou palavras em momentos inadequados, sem a devida função (ecolalia);
  • Não compartilhar seus interesses e atenção, apontando para algo ou não olhar quando apontamos algo;
  • Girar objetos sem uma função aparente;
  • Interesse restrito ou hiperfoco;
  • Não imitar;
  • Não brincar de faz-de-conta.

 

O símbolo do autismo é o quebra-cabeça, que denota sua diversidade e complexidade — criado em 1963 pela National Autistic Society, no Reino Unido.